THE BLOG

30
jan

Humans of New York arrecada mais de 1 milhão de dólares para escola da cidade.

Mudando a realidade de um bairro nova-iorquino com uma série fotográfica.

“Quem te influenciou mais na sua vida?”

Essa foi a pergunta que Brandon Stanton fez ao conversar com um dos garotos que havia retratado nas ruas da cidade de Nova Iorque, mais especificamente no bairro do Brooklyn.

“A diretora da minha escola, a senhorita Lopez”, respondeu Vidal, explicando melhor como ela o tinha influenciado. “Quando nós nos metemos em encrenca, ela não dá suspensão pra gente. Ela nos chama na sua sala e explica para a gente como a sociedade nos marginalizou. E uma vez ela fez cada um dos alunos levantarem, um de cada vez, e disse a cada um de nós que nós éramos importantes”.

Seria apenas mais um relato emocionante da página de fotografias Humans of New York, com mais de 11 milhões de fãs no mundo todo, se não fosse o espírito de Brandon.

O fotógrafo foi até a escola Mott Hall Bridges Academy, para conversar com a senhorita Lopez, continuando a história começada por Vidal, dando um incrível apoio moral para os estudantes.

“Esse é um bairro que não espera muito das suas crianças, então na Mott Hall Bridges Academy, nós temos uma expectativa bem alta. Não chamamos nossos alunos de “estudantes”, mas de “estudiosos”. Funcionários e “estudiosos” usam a cor roxa, porque roxo é a cor da realeza. Eu quero que meus estudiosos saibam que mesmo que eles vivam em um conjunto habitacional, que eles são parte de uma linhagem real que vem dos grandes reis e rainhas africanos. Eles pertencem a um grupo de indivíduos que resistiram tanto historicamente, e que ainda tem tanto para superar. Quando você conta que você é de Brownsville, as pessoas franzem o cenho. Mas existem crianças aqui que precisam saber que acreditamos que elas vão ser bem sucedidas”, foi o testemunho da diretora da escola de Vidal, em foto divulgada há uma semana.

Muitos dos comentários da foto aplaudiam a iniciativa da diretora da Mott Hall Bridges Academy, e então algo muito bacana aconteceu: Brandon liderou uma campanha de financiamento coletivo, para permitir que as crianças da escola tivessem um novo horizonte e uma melhor expectativa de futuro. A ideia era permitir que elas pudessem todos os anos visitar uma das universidades mais famosas do mundo, Harvard.

“Eu quero que todas as crianças que entrarem na minha escola saibam que elas podem ir a qualquer lugar, e que elas vão pertencer naquele ambiente”, explicou a senhorita Lopez.

O resultado foi infinitamente melhor que a encomenda, e mostrou o quanto uma ~simples página de fotografias no Facebook~ pode fazer uma enorme diferença na vida de tanta gente, principalmente entre os humanos que vivem em Nova Iorque: já foram arrecadados mais de UM MILHÃO DE DÓLARES.

UM-MI-LHÃO-DE-DÓ-LA-RES. E a campanha ainda vai rodar por mais uma semana.

Nesses últimos 7 dias, Brandon focou seus esforços fotográficos em contar mais sobre a realidade da escola, suas dificuldades e a beleza da resiliência de seus alunos, dos professores e dos pais das crianças que frequentam a escola.

ERAM QUESTÕES BASTANTE PERTINENTES A QUAISQUER INICIATIVAS FEITAS NA PERIFERIA – O ESFORÇO CONTÍNUO, A ESPERANÇA, O EVENTUAL DESESPERO E VONTADE DE DESISTIR, E OS PEQUENOS PRAZERES DO COTIDIANO QUE OS FAZEM CONTINUAR.

“É especialmente difícil quando você volta das férias. Porque você sente que muito do progresso que você tinha feito no último semestre foi desfeito durante as férias. É difícil, muito difícil. E é normal você sentir vontade de desistir. Você pode desistir quando quiser, e eu vou pegar o telefone e recomendar você para um outro trabalho, porque todos vocês podem ser bem sucedidos em qualquer lugar. Mas essas crianças precisam de vocês. Nossas meninas não se sentem honradas e respeitadas. Nossos meninos estão sendo recrutados por gangues. Nossas salas de aula podem ser o único lugar onde eles se sentem seguros e respeitados. Se desistirmos, não haverá mais ninguém a zelar por eles”, diz a diretora Lopez em uma reunião com seus professores.

Os fãs do HONY se emocionaram tanto com a mensagem da diretora Lopez que muitos deles a presentearam com buquês de flores.

O sucesso da campanha de financiamento coletivo foi tamanho, que em 24 horas já era possível garantir que a visita a Harvard fosse parte permanente do currículo da escola. Como as doações continuaram, a diretora da escola e Brandon pararam para pensar o que mais poderia ser feito com aquele dinheiro para continuar a ajudar a escola. Decidiram então que após os 350 mil arrecadados, a cada 40 mil dólares, um ano de programa de férias seria financiado.

Poucos dias depois da primeira fotografia com Vidal, Brandon encontrou com ele novamente e fez um novo retrato. “O que você diria que foi sua maior conquista?”, provocou Brandon, e a resposta foi ainda melhor: “Conseguir visibilidade para a minha escola”

A sensação de “que pessoas incríveis são essas” continuava a cada postagem, em um período que Brandon se dedicou a documentar e divulgar quão visionárias pequenas atitudes da Mott Hall Bridges Academy podiam ser.

“Eu cresci nessa região, e costumava ir de ônibus para a escola, que ficava em um bairro de pessoas brancas. Diversas pessoas naquele bairro ne faziam sentir como se eu não pertencesse àquele lugar. A mensagem que percebíamos era que os negros não eram bem-vindos ali. Mas o diretor da escola era um homem judeu chamado Irving Rahinsky. E todas as manhãs, quando saíamos do ônibus, o Sr. Rahinsky estava de pé na calçada, esperando por nós. Ele apertava nossas mãos quando saíamos do ônibus, e nos fazia sentir realmente parte daquele lugar. Agora que eu sou um professor, eu chego mais cedo todas as manhãs, para que eu possa ficar aqui de pé, oferecendo um aperto de mão e um abraço a cada um dos meus estudantes quando eles chegam”.

“Às vezes, as falhas são tão grandes, que não sabemos por onde começar. Como preencher as falhas de anos e anos de má educação? Algumas vezes parece tão desesperador que você quer desistir. Mas eu estava acordada às 2 da manhã outro dia, lendo os comentários que as pessoas estavam escrevendo nos posts sobre a diretora Lopez, e eu continuei rolando a tela, e rolando, e rolando, e isso me fez lembrar que eu sou importante aqui e que eu preciso continuar tentando”.

ATÉ AGORA, MAIS DE 10 ANOS DE VIAGENS À HARVARD, E MAIS DE 10 ANOS DE PROGRAMAS DE FÉRIAS FORAM FINANCIADOS PELAS DOAÇÕES. AFORA A AJUDA FINANCEIRA, O IMPACTO CAUSADO PELO HONY DEU MAIS MOTIVAÇÃO A ALUNOS E PROFESSORES PARA CONTINUAR EM FRENTE.

“Eu preciso admitir uma coisa para todos vocês. Antes de tudo isso, eu estava quase desistindo. Estava cansada. Eu queria escrever minha carta de demissão. Eu disse para minha mãe: ‘Mãe, eu não acho que consigo continuar fazendo isso. Porque eu não acho que meus estudiosos se importam, não acho que eles acreditam em si mesmos o suficiente para se importar. Eu temo que eles pensem que não são bons o suficiente’. E ela me disse para rezar por isso. Mas eu disse ‘Eu talvez esteja muito furiosa para rezar’. E então, algumas noites depois, eu estava com a minha filha em um show da Broadway, e estávamos esperando para o show começar, e comecei a receber várias mensagens de texto de professores e ex-alunos, e então vi o rosto de Vidal aparecer na minha tela. E meu primeiro pensamento foi que alguma coisa ruim tinha acontecido. Porque é o que normalmente acontece por aqui, quando a fotografia de alguém aparece de forma inesperada. E assim que entendi que Vidal tinha dito algo positivo sobre mim, o lanterninha veio e me pediu para desligar o telefone. No intervalo, minha filha disse: ‘Mãe, temos que descobrir o que está acontecendo’. Então fomos para o carro, e eu li o que Vidal disse, e comecei a ler os comentários. E lágrimas rolaram pelo meu rosto. Porque mesmo que eu sempre tenha dito a vocês que vocês são importantes, até aquele momento, eu não achei que vocês achavam que eu era importante”.

“Antes disso (do aparecimento no HONY), as pessoas viam as notícias na TV e nos jornais e pensavam que tudo que fazíamos era brigar e agir de forma descontrolada. Mas agora existem tantas pessoas que se importam com vocês, e que querem saber mais sobre vocês. As pessoas estão me mandando e-mails perguntando se podem conhece-los e se tornarem mentores de vocês. Não apenas pessoas de Brownsville, não apenas pessoas do Brooklyn, não apenas pessoas de Nova Iorque, mas pessoas do mundo todo. Então eu preciso que todos vocês se esforcem um pouquinho mais. Todas as vezes que vocês pensarem que não estão afim de fazer o dever de casa, eu preciso que vocês se lembrem que estão ajudando a construir a história de Brownsville”.

Na sua última postagem, Brandon explicou que o sucesso do financiamento coletivo foi tamanho, que eles criaram um terceiro propósito para as doações: a criação de um fundo para uma bolsa de estudos, que a cada ano será oferecida a um aluno diferente, escolhido por um conselho de educadores e administradores da Mott Hall Bridges Academy.

hony-mott-hallO nome dessa bolsa de estudos, como não poderia deixar de ser, será The Vidal Scholarship Fund. Todo o valor acima de 700 mil dólares será revertido para esse fundo, e o primeiro contemplado será o próprio Vidal.

Em menos de 15 dias, um impacto enorme em uma escola, na vida de dezenas de estudantes e professores, e mais de 2,59 milhões de reais arrecadados.

Portanto, não venha me dizer que Brandon Stanton é apenas um fotógrafo, ou que o HONY é ~apenas~ uma página de fotografia do Facebook.

É muito mais do que isso. É uma mudança do mundo que começa pelo próprio quintal.

Fonte: Brainstorm9 – www.brainstorm9.com.br




30
jan

Réplica do Homem de Ferro que flutua!

Pagar U$ 170,00 em um bonequinho de brinquedo na pré-venda pode soar meio forte, mas sabe como é: fã é fã! Sem falar que coloco este Iron Man 3 Mark II Special Floating Edition na categoria de colecionáveis e não algo para a criançada brincar. A réplica do Home de Ferro é meticulosamente detalhada, com articulações, luzes de LED, armadura com revestimento de metal de alta qualidade e claro, uma cópia fiel do vôo noturno do filme. Para mantê-lo flutuando no ar, o mesmo sistema de outros produtos como os conhecidos globos terrestres. A base magnética brilhante “repele” e mantém o herói em posição graças a 8 pilhas AA (não inclusas). O Iron Man 3 Mark II Special Floating Edition mede 16 cm de comprimento, a base 11 cm de diâmetro e como eu disse no começo, ele está na pré-venda na Big Bad Toy Store por exatos U$ 169,99 com previsão para chegar em março.

Fonte: Bem Legaus – www.bemlegaus.com.br




30
jan

Imagem mais nítida do mundo tem 1,5 bilhão de pixels.

Fotografia feita pelo Telescópio espacial Hubble exigiria 600 televisores HD para mostrar toda a extensão captada.

Hubble

Um bilhão e meio de pixels preenchem a maior imagem feita até então. A façanha foi registrada pelo Telescópio espacial Hubble e mostra mais de 100 milhões de estrelas da Galáxia de Andrômeda, localizada a uma distância aproximada de 2,5 milhões de anos luz da Terra.

Para se ter uma dimensão da nitidez e grandeza da imagem, ela consegue retratar uma extensão de 40 mil anos-luz.

A NASA e a Agência Espacial Europeia (ESA) – que administram o telescópio – fizeram algumas contas que tornam a imagem um pouco mais “palpável”. Bem, 1,5 bilhão de pixels exigiriam 600 televisores HD para mostrar o retrato.

Para obter a imagem completa, o Hubble fez 411 fotos agregadas em uma espécie de mosaico. É possível visualizar a foto e aproximá-la para ver detalhes neste link.

A expectativa da NASA e ESA é que a altíssima qualidade da imagem permita novos estudos sobre galáxias que tenham estruturas similares, mas que ficam a distâncias muito maiores.

Fonte: IDG NOW – www.idgnow.com.br




27
jan

“Criatividade S.A.”: Presidente da Pixar revela as escolhas que o tornaram um líder na indústria criativa.

Misto de biografia e lições de empreendedorismo, a abordagem de Ed Catmull se diferencia dos demais livros de negócios.

pixar

Ed Catmull, presidente da Pixar e da Disney Animation Studios, é reconhecido por suas contribuições na inovação da computação gráfica. Ele almejava um objetivo muito claro: fazer o primeiro longa metragem de animação por computador do mundo.

Não seria fácil, já que a própria tecnologia precisava ser evoluída e aperfeiçoada, mas ele estudou e compartilhou o conhecimento que adquiriu para fazer o segmento se consolidar. Mesmo com os erros que são comuns a quem faz algo novo, o foco o levou a criar a divisão de computação gráfica da Lucasfilm que, anos depois, foi comprada por Steve Jobs e virou a Pixar. Com o caminho livre, a empresa foi responsável pelo marco na história do cinema que foi o filme “Toy Story” (1995).

Depois de anos no campo técnico, e já tendo realizado seu sonho com a produção de “Toy Story”, Ed Catmull abraçou de vez o cargo de presidente da companhia e dedicou os anos seguintes a sustentar a cultura criativa presente na Pixar. Sua rotina exigia muita atenção para observar problemas externos que pudessem atacar essa cultura, e blindá-la para que jamais fosse abatida.“Criatividade S.A.”  é um livro incrível que reúne os esforços, sucessos, falhas e lições que Ed Catmull aprendeu ao longo do caminho.

LIVRO REÚNE OS ESFORÇOS, SUCESSOS, FALHAS E LIÇÕES QUE ED CATMULL APRENDEU AO LONGO DO CAMINHO

Misto de biografia e lições de empreendedorismo, a obra se diferencia dos demais livros de negócios por ser ligado à empresas que dependem da criatividade para se manter. Escrito em parceria com a jornalista Amy Wallace, Ed Catmull expõe sua história de forma honesta e comenta sobre as escolhas que o tornaram um líder na indústria criativa.

csa3

 

Compartilhando ideias para garantir a evolução

Dois momentos de “Criatividade S.A.”, em especial, me chamaram a atenção por ilustrarem como o compartilhamento de ideias pode contribuir com a inovação.

“UM PROBLEMA DIFÍCIL É MELHOR SOLUCIONADO QUANDO VÁRIAS MENTES EXCELENTES TRABALHAM NELE”

Em 1974, Ed foi contratado pelo Instituto de Tecnologia de Nova York para coordenar um laboratório que desenvolveria animações. Enquanto todos os profissionais da área tentavam ser os primeiros a realizar algum feito, Catmull e seu colega tornaram públicos seus estudos sobre computação gráfica. A percepção era que todos estavam tão longe de fazer algo concreto, que ocultar ideias só prejudicaria a evolução do segmento. Disponibilizando esse conhecimento, toda a comunidade se beneficiaria do avanço e contribuiria para que a arte evoluísse. E isso aconteceu.

Alguns anos depois, ele recebeu o convite de George Lucas para criar a área de computação da Lucasfilm. Em sua entrevista de emprego, quando perguntado sobre quem mais o estúdio poderia considerar para a vaga aberta, Catmull citou diversos nomes de pessoas que estavam fazendo um bom trabalho na área técnica. Sua honestidade e visão de inovação fizeram com que ele ganhasse a vaga e, tempos depois, ele descobriu que a Lucasfilm já havia entrevistado todas as pessoas citadas, mas nenhuma delas respondeu a pergunta de forma franca.

Uma vez na Lucasfilm, Catmull virou vice-presidente da divisão que criou. No entanto, os altos custos do departamento fizeram com que Lucas procurasse potenciais compradores. Até que Steve Jobs, recém chutado da Apple, investiu 5 milhões de dólares na empresa e deu início à Pixar. Inicialmente uma empresa que vendia computadores de design gráfico e produzia algumas animações publicitárias, Jobs fechou, em 1991, um acordo com a Disney para produzir três filmes animados. E é nesse momento que o estúdio que nós conhecemos realmente nasce.

Na visão de Ed Catmull, um problema difícil é melhor solucionado quando várias mentes excelentes trabalham nele. Então, diante de um desafio, seja inteligente.

Criatividade S.A. Livro

O Banco de Cérebros

Outro capítulo especial de “Criatividade S.A.” é dedicado ao Banco de Cérebros, uma equipe formada por membros altamente qualificados de criação da Pixar que se reúnem para conversar sobre as produções em andamento.

A PAIXÃO EXPRESSA NUMA REUNIÃO NUNCA DEVE SER LEVADA A NÍVEL PESSOAL QUANDO ELA É DIRIGIDA PARA A SOLUÇÃO DE PROBLEMAS

Um estatístico, conhecido por seus processos de controle de qualidade, certa vez introduziu um conceito de produtividade dizendo que a responsabilidade de encontrar e corrigir problemas deveria estar com qualquer funcionário, em qualquer nível da empresa. Qualquer pessoa que identificasse um problema deveria ser encorajado a parar a produção e corrigi-lo. O Banco de Cérebros faz isso.

Um diretor pode defender a criação do melhor filme do mundo, mas é natural que enfrente problemas para desenvolver a ideia. E aqui entra o Banco de Cérebros. Ele está ali para fazer suas críticas construtivas e ajudar a diagnosticar o problema, para que o responsável possa trabalhar na melhor solução.

De maneira sincera e inteligente, todos são convidados a falarem abertamente sobre suas sugestões. A paixão expressa numa reunião nunca foi levada a nível pessoal porque todos sabiam que ela era dirigida para a solução de problemas. E a sinceridade, dentro da Pixar, supera hierarquias.

Ed Catmull dá um exemplo muito legal para ilustrar as reuniões. No filme “Os Incríveis”, há uma cena em que Roberto Pêra está brigando com sua esposa, e a cena pareceu completamente errada a todos os presentes, pois o personagem era enorme, e sua esposa, magrinha e baixinha. Parecia que ele poderia agredi-la a qualquer momento e essa impressão precisava ser mudada. Depois de analisar a cena, a equipe não mudou o diálogo, mas a cena. Durante a discussão, a Mulher Elástica usa seus poderes e se estica, ficando maior do que o marido, equilibrando a situação. Isso mudou tudo.

Criatividade S.A. Livro

Vale a pena?

É fascinante conhecer as histórias por trás de grandes projetos do estúdio. Ed nos coloca à par das dificuldades de produzir o primeiro filme da companhia, os erros cometidos na continuação de “Toy Story”, o esboço original de “Up! Altas Aventuras”, as versões do final de “Wall-E”, os projetos que morreram e nunca vieram à público, sempre com uma contribuição valiosa, que alterna entre problemas e soluções encontradas, uma forma de apresentar conselhos aos leitores.

“CRIATIVIDADE S.A.” CATIVA O LEITOR AO UNIR NEGÓCIOS E INOVAÇÃO, FUGINDO DA MERA AUTO-AJUDA CORPORATIVA

Com o uso de exemplos reais da Pixar e também de casos pessoais e pontuais, Ed Catmull esbanja dinâmica na forma como compartilha suas descobertas para, assim como ele já havia feito antes, fazer com que outras pessoas se beneficiem de sua história e evoluam com ela.

Em determinado momento do livro, o presidente da Pixar confessa que, nos primeiros dias da empresa (quando ele não sabia o quanto cobrar pelos seus computadores e como montar a própria equipe), se rendeu a diversos livros de negócios com frases como “não ouse falhar”, “siga as pessoas e elas irão segui-lo” e tantos outros clichês que não davam nenhum senso de direção a quem os lia.

“Criatividade S.A.” não comete essa gafe. Há frases inspiradoras, sim, e ideias que dependem de crença e coragem para serem colocadas em prática, mas o livro traz muitas sugestões do que fazer para manter uma cultura saudável na sua empresa. Criatividade S.A. cativa o leitor ao unir negócios e inovação, e se você for líder, colaborador ou apenas um fã de cinema, certamente vai tirar algo de valioso dessa história. É só adaptar ao seu universo e focar no seu objetivo. Foi isso que Ed fez.


FICHA TÉCNICA
Título: CRIATIVIDADE S.A.
Autor: Ed Catmull & Amy Wallace
Tradução: Nivaldo Montingelli Jr.
Editora: Rocco
Páginas: 320

Criatividade S.A. Livro
Fonte: Brainstorm9: – http://www.brainstorm9.com.br/54670/entretenimento/criatividade-s-presidente-da-pixar-revela-escolhas-que-o-tornaram-um-lider-na-industria-criativa/

 




27
jan

Tendências Criativas – Shutterstock

tendenciascriativasshutter

Usando insights de sua coleção de 47 milhões de imagens, o infográfico anual de tendências criativas da Shutterstock analisa quais pesquisas e estilos estão em alta, prevendo o que dominará o mundo visual em 2015.

Confira pelo link: http://migre.me/omikN

Fonte: www.shutterstock.com