Tag: Design

27
jan

Tendências Criativas – Shutterstock

tendenciascriativasshutter

Usando insights de sua coleção de 47 milhões de imagens, o infográfico anual de tendências criativas da Shutterstock analisa quais pesquisas e estilos estão em alta, prevendo o que dominará o mundo visual em 2015.

Confira pelo link: http://migre.me/omikN

Fonte: www.shutterstock.com




13
nov

Planos futuros para paredes interativas em aviões.

Planos futuros para recurso interativo, sem janelas da cabine Paredes
Engenheiros propoem viagens de avião ecom telas high-tech, de parede a parede.

PSFK já relatatou jatos particulares sem janelas , idéias para cabines transparentes avião , dispositivos de isolamento sensorial para aviadores e outras áreas de inovação no futuro das viagens aéreas. No entanto, uma recente proposta de um grupo de desenvolvimento do Reino Unido pode mudar ainda mais a forma de vôos comerciais.

window2.jpg

Centro de Processo de Inovação (CPI) é uma organização britânica que trabalha com empresas que desenvolvem novos produtos. Ela sugere que as janelas da cabine do avião sejam substituídas por telas de corpo inteiro, isso dentro de uma década. Além de ver imagens da câmera fora do avião, os passageiros seriam capazes de usar as telas para navegar na internet, ou simplesmente desligá-los.

window6.jpg

A inovação proposta é motivada pelo desejo de entreter os passageiros. Com o aumento dos preços dos combustíveis as companhias aéreas têm procurado assistência para poupar dinheiro estudando idéias de uma grande variedade de engenheiros e grupos de reflexão. A cada redução de 1% em peso de uma aeronave é responsável por uma economia de combustível de 0,75%, colocando a redução de peso na vanguarda das mentes da indústria.

window3.jpg

“Estávamos falando com as pessoas na indústria aeroespacial e percebemos que há necessidade de peso nas aeronaves”, diz o Dr. Jon Helliwell da CPI para o The Guardian . Para instalar com segurança janelas, explicou, engenheiros aeronáuticos precisam fortalecer a fuselagem de um avião, acrescentando peso significativo ao veículo.

window4.jpg

As telas propostas seriam feitas usando diodos orgânicos emissores de luz (OLEDs), atualmente utilizados em telefones celulares e TVs, mas alojados em vidro devido à sua sensibilidade à umidade. Para a instalação em aviões, Helliwell explicou, seria necessário telas OLED flexíveis, semelhante ao modelo de 18 polegadas recentemente demonstrado pela LG e Nokia da versão dobrável (abaixo). Como Helliwell diz o The Guardian ,

Seria ótimo fazer dispositivos baseados em OLEDs flexíveis. Nós podemos fazer transistores que são flexíveis, mas se podemos fazer OLEDs que sejam flexíveis, que nos dá um grande potencial no mercado, porque nós podemos imprimir OLEDs para embalagens, criando displays flexíveis.

window1.jpg

A CPI estima que a proposta vai precisar de cerca de 10 anos antes que esteja pronta para o consumidor. 

Tomasz Wyszo, Centro de Inovação de Processos, Tecnologia Nikkei

Fonte: PSFK




10
nov

Impressora de corte 3D vira máquina de tatuagem automática.

Corte 3D Printer Faz máquina de tatuagem automática
Designers franceses alteram impressora 3D permitindo que você tatue a si mesmo.

A tecnologia de impressão 3D já seguiu a curva da maioria das invenções emergentes. O estúdio de design parisiense Appropriate Audiences  público adequou uma impressora 3D e a transformou em uma máquina de tatuagem.

G3I6371_RED.jpg

O dispositivo de impressão, chamado Tatoue, afixa uma pistola de tatuagem em uma armação de metal presa a trilhos. A pistola pode mover-se em três eixos, de modo que o dispositivo de tatuagem pode seguir o caminho de qualquer linha ou curva do corpo. O processo é simples:

  1. Primeiro Passo: Escolha uma tatuagem de um banco de arquivos gráficos, ou crie e faça o upload.
  2. Segundo Passo: Acesse o arquivo pela impressora 3D.
  3. Terceiro Passo: Insira a parte do corpo a ser tatuada – atualmente funciona melhor com braços – no quadro.
  4. Quarto Passo: Fique imóvel enquanto a impressora executa o projeto e dá-lhe nova tatoo.

Durante a operação, um sensor na máquina lê as dimensões e textura da pele para ter a certeza que tatuagem seguirá a topografia do corpo.

Os fundadores da Appropriate Audiences , Pierre Emm, Piotr Widelka e Johan Da Silveira, dizem que o protótipo funciona, mas pode ser melhorado quanto a flexibilidade e acessibilidade. Eles também observam que o conceito pode ser refinado para uso em medicina, moda e arte. Eles estão atualmente trabalhando em uma terceira versão da máquina que tatuará qualquer parte do corpo.

Ainda este ano, a equipe planeja uma turnê pelo mundo para entrevistar tatuadores sobre novas técnicas e estilos, evoluindo para novas versões de sua máquina.

Fonte: PSFK





06
nov

9 capas de discos que inovaram o campo de embalagem de música.

Alguns artistas não se contentam com capas tradicionais para seus discos. Uma coisa é contratar um designer talentoso para criar algo atraente e bonito, mas recusar-se a usar o formato tradicional de capinha e brochura já é outra coisa, e abre um mundo de possibilidades. É claro que, em tempos de mundo digital,  uma embalagem única e criativa pode ser uma maneira crítica para se capturar a atenção – e o bolso – daqueles que já abriram mão da mídia física quando se trata de comprar música. Essa tendência, porém, vem de bem antes da era digital – desde os anos 60, até a notícia do próximo lançamento do Wu-Tang Clan, veja abaixo nove exemplos de albums que reinventaram o conceito de capa de disco.

The Beatles, Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band (1967)

1412185991443.jpeg
1412186016037.jpeg

Poderíamos escrever um livro inteiro sobre a influência deste álbum dos Beatles sobre a cultura popular de música, mas a embalagem em si foi tão inovadora quanto a música. Foi preciso um time inteiro, liderado pelo diretor de arte Robert Fraser, para criá-la; a capa teve o design concebido por Peter Blake e Jann Haworth, e o coletivo de artistas holandês The Fool criou um envelope para o vinil bem mais colorido do que os consumidores estavam acostumados até então. O fotógrafo de rock Michael Cooper fotografou a banda com as figuras de papelão famosas (todos dos quais se precisou conseguir autorização) e, além de todos os prêmios para a música, o álbum também ganhou o Grammy de Melhor Capa de Disco, Artes Gráficas.

The Velvet Underground, The Velvet Underground & Nico (1967)

The Rolling Stones, Sticky Fingers (1971)

1412186102491.jpeg
1412186127502.jpeg

Até quem nunca ouviu falar da música do Velvet Underground provavelmente saberia dizer que foi Andy Warhol que criou a icônica banana que aparece na capa do disco de estréia da banda. Nas primeiras impressões do álbum, era possível se “descascar” a banana – uma puta despesa para a MGM Records, a qual contava em capitalizar em cima do nome de Warhol.

Mas o que poucas pessoas sabem é que Warhol também fez uma capa de disco, na era pós-vinil, para os Rolling Stones. Sticky Fingers foi o primeiro álbum deles para a Atlantic Records, e o orçamento maior permitiu à banda o luxo de implementar a idéia de um zíper “de verdade”, que revelava a roupa íntima branca do artista quando aberto.

Pearl Jam, Vitalogy (1994)

pj1.jpg
1412186200646.jpeg

O terceiro disco do Pearl Jam foi o primeiro da banda a apresentar um conceito de CD que não era como uma caixa impessoal. A arte para o  material gráfico do álbum foi inspirada por um livro didático de medicina de 1899, e ao combinar as letras da banda com as imagens e texto de uma era com idéias já ultrapassadas sobre o estudo da vida, o Pearl Jam criou uma brochura que envolveu seu público e complementou a experiência de se ouvir o disco. A banda estava tão comprometida com a qualidade da embalagem deste álbum que os 50 centavos de dólar extras por CD que foram necessários para se produzir a mesma saíram do bolso da própria banda.

Spiritualized, Ladies and Gentlemen We Are Floating in Space (1997)

spiritualized1.jpg
spiritualized2.jpg.png

A evolução dos formatos de áudio não incluiu apenas CDs mas também, como alguns fanáticos por música preferem, os mini CDs de 3 polegadas. A edição especial para colecionadores do álbum Ladies and Gentlemen We Are Floating in Space foi lançada num formato que parecia embalagem de remédio que alguns laboratórios farmacêuticos usam para alguns tratamentos. O disco vinha com 14 discos encapsulados individualmente na embalagem (um para cada música), que tinham que ser tirados da embalagem de alumínio, como fazemos com pílulas, na ordem em que deveriam ser ouvidos. A embalagem até incluía uma “bula”, informando sobre os possíveis efeitos colaterais de se ouvir a música da banda. Em 2009, uma edição especial de aniversário do álbum foi lançada num formato similar, junto com uma “receita” numerada assinada pelo fundador da banda Spiritualized, Jason Pierce.

The Flaming Lips, Gummy Song Skull EP (2011)

1412186317982.jpeg
1412186395343.jpeg

Poucos artistas de grandes gravadoras são tão anti-convencionais – e esquisitos – quanto o Flaming Lips, que já conseguiu escrever uma música de sucesso sobre uma garota que descobre usos alternativos para vaselina, e já lançaram um álbum composto de quatro discos que tinham que ser tocados todos ao mesmo tempo. Mas em 2011, Wayne Coyne e sua turma se superaram ao lançarem um álbum de 4 músicas que vinham em um cartão USB dentro de uma caveira comestível enorme, feita com 3 quilos e meio de bala de goma. The Gummy Song Skull EP foi lançado em quantidades limitadas, das quais o líder Wayne Coyne em pessoa distribuiu algumas das primeiras cópias numa loja de discos em Oklahoma, nos Estados Unidos.  As cópias se esgotaram imediatamente, e ele teve que voltar em casa e buscar mais. Mas eles não pararam aí – a banda em seguida lançou outro álbum ainda mais bizarro, o Gummy Song Fetus.

Julian Casablancas + The Voidz, Tyranny (2014)

1412187759634.jpeg
1412187806398.jpeg

Na era da música digital, é uma boa idéia que o meio físico da escolha do artista também tenha uma função útil. Para promover seu disco do líder dos Strokes com sua nova banda, Julian Casablancas distribuiu MP3s das faixas do álbum em USBs que também são mini isqueiros. É uma forma inteligente para um artista de incorporar seu disco num objeto que alguns fãs não saem de casa sem, também estimulando uma conversa sobre o disco (e dessa forma, promovendo-o) com qualquer pessoa que peça o isqueiro emprestado. Da próxima vez que você pedir fogo para alguém, pode ser que você se veja descobrindo uma música ou banda nova que passou desapercebida nos meios mais tradicionais de publicidade.

Wu-Tang Clan, Once Upon a Time in Shaolin (2014)

1412186585562.jpeg
1412188139897.jpeg

Por mais de 20 anos, o Wu-Tang Clan foram conhecidos pela sua confiança e audácia. O álbum Once Upon a Time in Shaolin, do qual eles fizeram apenas uma cópia e a venderam pela melhor oferta, poderia por muitos ser considerado o lançamento musical mais confiante e audacioso já feito na história. Planeja-se levar o disco único à galerias e museus, onde o público pagará uma taxa para se juntar a outros e ouvir a música, da mesma maneira em que você pagaria o ingresso de cinema para ver um filme. RZA, membro do Wu-Tang alega que já tem uma oferta de 5 milhões de dólares pelo álbum. Só o tempo dirá se o mesmo é tão bom quanto o resto da música deles, mas a qualidade do disco é quase irrelevante. Once Upon a Time in Shaolin já está levantando questões novas sobre a legitimidade da música como arte, e sobre como a arte pode ser consumida e comoditizada.

Ao memos tempo, o grupo acaba de anunciar outra inovação – seu próximo álbum queestará disponível para o público, A Better Tomorrow, será primeiro lançado na forma de um speaker portátil “Boombot”. Chamado A Better Tomorrow Special Play, a caixinha não apenas chegará aos fãs antes do lançamento do álbum completo, mas irá também incluir uma música exclusiva que não estará no disco final.

Fonte: Blog Shutterstock





04
nov

Infográfico: Cores e Tendências Shutterstock 2014.

No início deste ano publicamos o Infográfico Tendências de Design, que trazia as tendências globais em design. Dessa vez, resolvemos focar nos fatos e números relacionados à cor. Utilizando dados da nossa coleção de 40 milhões de imagens e de 400 milhões de downloads totais, analizamos quais cores são populares e devem dominar o design nos próximos meses.

Todos sabemos o quanto a cor é importante para o design – é por esse motivo que criamos duas ferramentas inovadoras de busca por cor, a Palette e o Spectrum. A cor tem um impacto enorme em tudo: no design para internet e em design gráfico, na moda, até mesmo na decoração de interiores. Algumas das tendências que vimos neste ano, como uma mudança de tons naturais para tons de cinza, podem também ser vistas nas passarelas das Semanas de Moda e na decoração de interiores. Outras foram claramente influenciadas por eventos como a Copa do Mundo, o constante crescimento das mídias sociais e a cor Pantone do ano, a Radiant Orchid.

Confira o infográfico abaixo para ver quais cores estão em alta ao redor do mundo, e depois navegue para ver as imagens que usamos e para explorar seis seleções de imagens super coloridas e inspiradas pelo nosso Infográfico Cores e Tendências 2014.

 

Infografico: Cores e Tendencias Shutterstock 2014