Tag: smartphone

12
jan

Pau de selfie é passado: Lenovo lança “robô especial” para autorretratos.

lenovoselfieces2015_520Chamado de Fiebot, o dispositivo é mais uma espécie de tripé de quatro pernas para aparelhos mobile. Smartphone é colocado no topo do acessório.

Para a Lenovo, os loucos por selfies não tem limites. A companhia desenvolveu um robô que pode ser ajustado remotamente para tirar fotos a partir de um aparelho móvel.

Chamado de Fiebot, o dispositivo é mais uma espécie de tripé de quatro pernas para aparelhos mobile. Um smartphone pode ser colocado no topo do robô, que então pode ser ajustado em diferentes posições por meio de um controle remoto para tirar uma selfie ou gravar um vídeo.

O robô pode fazer movimentos verticais e horizontais, e tirar fotos panorâmicas e gravar vídeos com ângulos de visão maiores.

Em algumas maneiras, o Fiebot é bom para mais do que apenas selfies. Com o controle remoto em mãos, você pode tirar fotos em um grupo com um smartphone sem precisar configurar um timer.

O robô será comercializado já com um software rastreamento de gestos e reconhecimento facial. Com esses recursos, o robô poderá ser usado para monitoramento remoto, ou para os pais ficarem de olho nos filhos pequenos, por exemplo.

Muito mais recursos serão adicionados ao robô nas versões futuras, afirmou CK Lee, CEO da Glasswonder, uma empresa chinesa que desenvolveu a “engenhoca” para a Lenovo.

A próxima versão do Fiebot terá alto-falantes e um projetor que poderá exibir vídeos do smartphone em uma parede. Mais protótipos do Fiebot estão em desenvolvimento e é possível que o robô tenha sua própria câmera embutida e “pernas”, o que tornaria o gadget realmente móvel sem a necessidade de um smartphone.

Inicialmente, o aparelho será vendido apenas na China – a Lenovo não informou o preço do produto.

Fonte: IDG Now! – www.idgnow.com.br




24
nov

Making of dos comerciais da Motorola.

MotorolaVocê já assistiu o comercial do Moto X? Seu conceito em si não tem nada de muito inovador, mas a montagem de seu cenário chama bastante a atenção por apresentar uma estrutura bem diferente do que estamos acostumados a ver. Resolvi, então, ir atrás de seu processo de criação.

Encontrei não apenas como ele foi feito, mas descobri que tratam-se de 4 filmes, um para cada produto da linha de aparelhos da Motorola: Moto X, Moto G, Moto Hint e Moto 360. A linha criativa para os filmes é a mesma: como o aparelho se integra ao dia a dia de seu usuário, tornando suas tarefas diárias mais simples.

Todos foram gravados em um único galpão, e o que os une é a criatividade e fluidez de seus efeitos práticos, sem a utilização de efeitos especiais.

Confira cada um dos vídeos, começando pelo making of:

Fonte: Diretores de Arte – www.diretoresdearte.com.br

 




18
nov

Polaroid de Smartphone.

Nada como um dia após o outro! As fotos instantâneas das Polaroid tiveram seus dias de glória por um bom tempo. Foram ficando ultrapassadas com o passar dos anos. Depois viraram artigos-retrô-cool-hipster-chique-colecionáveis-sou-modernoso.

Eis então que aparece a Prynt, uma versão que pretende transformar smartphones em Polaroids! Legal, né?! A ideia não tem muito mistério: aPrynt é um tipo de case onde aparelhos iPhone e Android são encaixados e após tirar uma foto, ela sai impressa. Nada de muito diferente, a não ser claro, pela qualidade da imagem e o tipo do papel. A essência porém, é exatamente igual.

Prynt iniciará uma campanha no KickStarter em breve para arrecadar fundos para sua produção. Pelo o que eles dizem o objetivo é que se consiga armazenar 30 folhas de papel com tempo de impressão aproximado de 30 segundos para cada foto. É aguardar para ver esta velha-nova ideia estar à venda.

Fonte: Bem Legaus – www.bemlegaus.com




07
out

Facebook fecha compra do WHATSAPP por US$ 21,8 BILHÕES!

Valor é quase US$ 3 bilhões acima do valor estipulado quando foi anunciada a operação, em fevereiro.

geta

O Facebook fechou nesta segunda-feira (06/10) a aquisição do serviço de mensagem móvel Whatsapp por um preço final de US$ 21,8 bilhões, quase US$ 3 bilhões acima do valor estipulado quando foi anunciada a operação, em fevereiro.

Este aumento se deve, fundamentalmente, à valorização das ações de Facebook neste ano, cujo valor no mercado subiu 42% desde janeiro, já que o Facebook pagou mais da metade do montante pela aquisição do Whatsapp em ações.

O Facebook confirmou o fechamento do negócio em um documento entregue hoje à Comissão do Bolsa de Valores dos EUA (SEC). Nesse documento, detalha-se que a venda foi fechada por 177.760.669 ações do Facebook e US$ 4,59 bilhões em dinheiro, além do repasse de 45.941.775 ações “restringidas” aos funcionários do Whatsapp.

O cofundador e executivo-chefe do Whatsapp, Jan Koum, passou a integrar a direção do Facebook.

O fechamento definitivo da operação anunciada em fevereiro ocorre três dias depois de receber o aval da Comissão Europeia (CE), que determinou que, apesar da aquisição, os consumidores continuarão a ter alternativas em mensagem móvel oferecidas por outras empresas e que, portanto, não haverá uma situação contrária à concorrência no setor.

“A comissão concluiu que as americanos Facebook Messenger e Whatsapp não são concorrentes próximos e que os consumidores continuarão tendo uma ampla variedade de aplicativos de comunicações alternativas depois da transação”, destacou a instituição em comunicado.

Tanto o Facebook, através do serviço Facebook Messenger, como o Whatsapp permitem aos usuários de smartphones que instalarem seus aplicativos se comunicar por meio do envio de mensagens de texto, foto, voz e vídeo.

A operação já tinha recebido o sinal verde das autoridades sobre a concorrência dos Estados Unidos em abril.

Fundada em 2009 por Jan Koum e Brian Acton e com sede em Mountain View (Califórnia, EUA) a companhia Whatsapp Inc. é proprietária do serviço de mensagem móvel mais usado no mundo, com 600 milhões de usuários.

Fonte: globo.com

19
set

Bloom, a plataforma que troca crachás e pulseiras por smartphones.

bloom-plataforma-digital

Uma catraca inteligente é capaz de reconhecer, através de conexão sem fio, se você tem ou não autorização para entrar no local.

Filas extensas e demoradas serão coisas do passado, ao menos no que depender dos criadores da Bloom, uma plataforma que quer trocar os tradicionais crachás e pulseiras coloridas por autenticações digitais.

Criada no Brasil, a Bloom criou totens, chamados de Bloom Stations, que funcionam como uma catraca inteligente. Basta aproximar dispositivos Android e iOS para que seja reconhecida a autorização para circular pelo local, seja uma festa, evento ou até mesmo a entrada em um recinto específico. A conexão wireless com o app da Bloom é feito através de NFC (Near Field Communication) no Android e via BLE (Bluetooth Low Energy) em aparelhos iOS, o que agiliza bastante o processo – segundo Isabelle Perelmuter, fundadora do Bloom juntamente com Edson Pavoni, o procedimento de abrir o app e passar pela Bloom Station dura em torno de 5 segundos.

As Bloom Stations também permitirão que sejam criadas ações com base no perfil do usuário. Seria possível, por exemplo, passar o celular por um dos totens para fazer um check-in, curtir uma página em específico ou postar uma foto na sua timeline, por exemplo, tudo isso sem que as atividades do virtual interfiram demais na experiência no mundo real.

 ALÉM DE CONTROLAR A MOVIMENTAÇÃO DA AUDIÊNCIA, REALIZAR INTERAÇÕES VIRTUAIS E REGISTRAR COMPRAS EM UMA COMANDA VIRTUAL, A BLOOM TAMBÉM VAI INTERMEDIAR A COMPRA DE INGRESSOS.

A ‘identidade Bloom’ também poderá ser usada para registrar um consumo de bar ou de chapelaria: atendentes estarão munidos com tablets, que reconhecem a identificação do consumidor e registram a compra, como se fosse uma comanda digital. A vantagem é a facilidade para o cliente e também para quem promove o evento, que através de um painel de controle pode acessar a big data relacionada àquela atividade.

“Ter esse universo de informações sobre os consumidores, visualizado de forma rica e em tempo real, vai permitir operar os eventos com mais eficiência. A integração com redes sociais também vai revolucionar a venda de patrocínios”, projeta Coy Freitas, um dos sócios da Audio, casa de shows que vai estrear a plataforma Bloom em outubro.

Fonte: Brainstorm9